31 de dez de 2007

Versos amargos

Então... é assim que acaba?
Um abraço e um olhar...
Nenhuma gota de lágrima?

Uma porta se fecha
Um sorriso se apaga
Uma luz pela fresta
Uma despedida amarga

Ó, serpente cruel,
Injetas teu veneno
E vais embora?
Me digeres por dentro
E me consolas por fora?

Ris da minha angústia?
Ris do meu lamento?
Bebes da minha dor
E brindas ao meu sofrimento?

Pois bem, por hoje hei de aceitar
O fracasso e a humilhação
Mas me conforta saber
Que será teu sangue de véu
O responsável por silenciar teu coração


______________________________________________


*Sim, o rascunhos ainda existe, não é uma coisa que se diga "minha noooossa, como existe esse blog", mas existe sim.

*Esse poema eu comecei a rascunhar a mais de um ano: a cada X ou Y meses eu parava, olhava pra ele e escrevia uns 2-3 versos e aí, com o tempo, ele foi adquirindo forma, porém eu sempre achava que estava faltando alguma coisa. Bem, ainda acho que falta, mas gostei de como ficou. =]

*Ah, e "não gosto de poesia" de A é B!