24 de ago de 2008

Com as próprias mãos

- Você faria o mesmo se estivesse no meu lugar!


Não, Ariene não faria. Mas aquelas palavras reverberavam na sua mente, indo e voltando sem parar. Ariene Crownshield, cavaleira sagrada da Ordem do Cálice Prateado de Siamorphe, não venderia sua honra tentando matar alguém em troca de um punhado de moedas de ouro. Mas será que ela, nascida sem lar, sem ninguém que a ensinasse que valores deveria preservar, não se deixaria levar pela situação?

Segurou entre os dedos o cálice prateado, que usava sempre com tanto orgulho. Apertou-o forte, como se buscasse na deusa uma resposta para essas indagações. Não gostava da sensação de ter a vida de alguém em suas mãos – nunca se achou preparada para aquilo, na verdade. Já presenciara execuções antes – seu pai a preparara desde criança – mas isso não quer dizer que gostava de vê-las. Fechou os olhos azuis com força, como se tentasse apagar a lembrança, mas foi em vão.


**********


- Não vire o rosto, pequena. Seu pai está olhando você.


Quem lhe falava era Tersus, embora a criança não estivesse realmente dando importância a sua voz. Ariene não queria olhar, mas não conseguia tirar os olhos daquele a quem chamavam de traidor. Os ombros estavam caídos e marcas profundas adornavam o seu rosto, compondo o quadro de um derrotado. Não em combate, não em batalha... mas na vida. Profundas olheiras e olhos finos como linhas se esgueiravam pela multidão, como se não conseguissem encará-los. Ariene não desviou o olhar, e teve certeza: ele olhou para ela.


Mesmo nos dias de hoje, não conseguiu entender se ele buscava por ajuda ou pura redenção. Os olhos daquele homem eram de uma inexpressividade descomunal, mas ainda assim intensos como a pior das tempestades. Prendeu a respiração, e então ouviu a voz do seu pai soar acima do cochichar da multidão:


- Você, homem de armas conhecido por Saemon, foi acusado de traição para com seus companheiros de armas. Graças a informações, passada por você a comparsas dos exércitos da velha e corrupta corte, três valorosos guerreiros perderam suas vidas. Entre seus pertences, foi encontrada a quantia de trezentas moedas de ouro, cunhadas pelas formas da corte que você costumava combater. – pausou a fala por um instante, enrolando o pergaminho com as acusações. – O que tem a dizer em sua defesa?


Por um instante, o homem permaneceu calado, assim como a multidão. Seus olhos se viraram para seu acusador, Kelvan Crownshield, e Saemon apenas deu de ombros.


- Nada. Eu fiz tudo o que disse, meu senhor. Apenas me dê uma morte rápida.


A displicência do homem apenas irritou mais o lorde, e Ariene sabia disso. No entanto, ele manteve sua postura. Desembainhou sua espada bastarda, que refletiu por um instante a luz do sol, e disse:


- Pelo poder a mim investido, por mérito e berço, és declarado culpado, homem de armas Saemon.


***

Voltaram para o solar improvisado, em um silêncio quase mórbido. Ariene não conseguia parar de pensar nos olhos inertes daquele homem, e ainda assim tão intensos. E não conseguia também encarar seu pai. Como se adivinhasse seus pensamentos, Kelvan falou:


- Eu tive que fazer aquilo. Aquele homem cometeu um crime que matou três pais de família. É uma questão de justiça. E você deve acostumar-se com isso, minha filha. Um dia, você tomará conta desse lugar.

O silêncio perdurou até chegarem à casa. Ariene viu o pai dar-lhe as costas e dirigir ordens a alguns homens, e só então conseguiu dizer:


- E quem somos nós para julgar quando tirar a vida de alguém?


**********


- Ele não carrega o mal no coração. – disse por fim Arienne, e só então percebeu que demorara a tomar sua decisão.

- Preciso lembrar-lhe, minha noiva, que este homem tentou matar você? E foi uma tentativa premeditada? – a voz de Victarion se fez soar. – De acordo com as leis de Tethyr...

- Nós não estamos em Tethyr. – lembrou Vance, que era a favor de deixar o homem vivo.

- E mesmo de acordo com as leis dos homens do mar, traição a esse nível é passível de punição com morte. Arienne, eu negociei sua vida por duzentas moedas...

- Os deuses decidirão. – a jovem disse, e ouvir sua própria voz a deixou mais segura de si. – Se ele aceitar, largue-o no mar. Não estamos tão longe de terra firme, e qualquer provação que passar será o suficiente para que repense suas ações. Se, do contrário, ele perecer, teremos adiado o inevitável. Agora, se me derem licença, vou para os meus aposentos.


*****


Na manhã seguinte, os homens foram levados para o convés, para receber sua punição diante de todos – o exemplo também era uma ótima forma de coagir os membros de uma tripulação, a capitã lhe explicara. E assim era em qualquer lugar.


Aquele que mentira no intuito de salvar a vida teve uma morte rápida pelas lâminas de Vance. O outro, por sua vez, foi lançado na imensidão do mar, e se sobreviveu ou não a paladina não poderia dizer. No entanto, tinha a sensação de que a justiça, de fato, havia sido feita.

Onde você mora?

...

- E onde você mora mesmo?
- No Bairro dos Estados.
- Ah, fica perto do Sebrae?
- Não. Sabe onde fica o Hipócrates do Bairro dos Estados?
- O Hipócrates...? Sei sim, no Jardim Luna, né?
- Não. O Hipócrates do Bair-ro dos Es-ta-dos.
- Ah, sei não...
- Sabe o Pão de Açúcar da Epitácio?
- Sei, sei, sei sim. Em Miramar, né?
- Não. O oou-tro Pão de Açúcar. Perto daquele empresarial azul na Epitácio.
- Sei, sei.
- Pronto, você dobra na esquina do Pão de Açúcar...
- Na direção do Memorial, como quem tá indo pra Torre ou Expedicionários, né?
- Não. Como quem tá indo para o Bair-ro-dos-Es-ta-dos.
- Ah...
- É, pro ooou-tro lado, fica atrás do Pão de Açú...
- Aah, quer dizer que tu mora na rua atrás do Pão de Açúcar? Fica perto duma Escola de Enfermagem, né?
- Não. Não é na pri-mei-ra rua atrás do Pão do Açúcar. São algumas ruas depois...
- Aaah... Alguumas ruas depois, né? Fica perto da Emlur?
- Fiica.
- Ouxi, e por que não disse logo?
- Porque a Emlur fica DO LADO do Hi-pó-cra-tes.
- Sim, mas onde fica a sua casa?
- NO OLHO DO SEU %¬&*, MI @#$%*7!!!

7 de ago de 2008

O arauto

A pequena vila de Zay estava agitada, as pessoas andavam de um lado para o outro naquela tarde. O inverno se fora, e nas próximas semanas muitos produtos seriam comprados e vendidos, algumas caravanas já haviam passado pela vila e até o final da primavera várias outras tinham Zay no seu percurso. Muito havia a ser feito. Por isso, poucos notaram o pequeno halfling subir em um dos bancos da humilde praça da cidade antes de anunciar a plenos pulmões:

Ouçam todos! Ouçam todos! De acordo com o decreto de Lorde Llachior Blackthorn, Duque do Cabo Velen e Lorde Real do Comércio, a partir da próxima semana, as taxas de mercado sobem para 3 donsars ao dia. Atenção, mercadores! O não pagamento da taxa pode resultar na confiscação dos produtos e na cobrança de multas. A medida perdurará por todo período da Colheita e será usada para a contratação de mercenários visando a proteção das cidades e estradas.

Neeb Voz-da-manhã era o nome do pequeno. Ele era um arauto viajante, uma profissão que foi quase extinta durante o período de caos pelo qual o Reino passou. O pequeno Neeb viajava de cidade em cidade, de vila em vila, anunciando os novos decretos e comunicando noticias de longe e era assim que as pessoas comuns sabiam o que estava acontecendo em Tethyr e além.

Poucas pessoas em Zay deram atenção ao halfling, os que o observavam e o ouviam, faziam-no mais por curiosidade e davam-lhe pouca importância, mas Neeb já estava acostumado, na verdade prefiria ignorância à agressividade: alguns mercadores furiosos de Myratma tentaram espancá-lo certa vez quando anunciou aumento de impostos.

Ouçam! Ouçam! As cidades amnianas de Riatavin e Trailstone se rebelaram contra os Reis Mercadores e declararam lealdade à Coroa de Tethyr. Embaixadores foram enviados de Darromar para negociar com Amn, mas os Reis Mercadores não querem negociar, declararam que Tethyr deveria se manter longe das duas cidades. Será isso o prelúdio de uma nova guerra?

Os transeuntes continuavam passando como se alheios ao discurso do halfling, mas a maioria apenas fingia que não ouvira as últimas palavras do arauto. Guerra era uma palavra que eles não queriam ouvir, não depois de terem passados tantos anos a mercê dos tiranos de Ithmong. Teriam sido os dois últimos anos apenas uma ilusão de tempos melhores?

O arauto apenas desceu do banco, acendeu seu cachimbo e partiu para a próxima vila.